• Segue conectado
  • |

Mata Nacional do Camarido vai ser valorizada num investimento de cerca de 62 mil euros

Executando candidatura no âmbito da Melhoria da Resiliência e do Valor Ambiental das Florestas

CaminhaDecorreu ontem uma visita à Mata Nacional do Camarido, com o objetivo de dar conhecer as obras de gestão e ordenamento florestal que estão a ser desenvolvidas pelo ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. A visita foi acompanhada pelo Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, Paulo Catarino, diretora do ICNF e presidente e vice-presidente da Câmara Municipal de Caminha. Durante a visita foi anunciado que a Mata do Camarido vai ser alvo de mais uma “intervenção estruturante” através da execução da candidatura apresentada à operação 8.1.5. (Melhoria da Resiliência e do Valor Ambiental das Florestas) ao programa PDR2020, que irá envolver 80 hectares, num investimento de cerca de 62 mil euros, cujos trabalhos deverão começar em outubro.

Sobre a nova candidatura, Miguel Alves referiu “esta candidatura vai-nos permitir chegar a um conjunto de áreas que, na conjugação com o trabalho já feito, irá permitir uma intervenção na plenitude na Mata do Camarido”. Interrogado sobre as críticas de que a autarquia foi alvo acerca destes trabalhos neste espaço florestal “não há muitos aplausos no trabalho de gestão florestal, não há apoio popular. As pessoas nem sempre compreendem a importância deste tipo de trabalho, o que compreendem é que quando não é feito e as desgraças acontecem aí sim, há a preocupação da crítica”, acrescentando – “não nos preocupam os aplausos, serve-nos a sensação do dever cumprido”.

Sobre esta visita, o Secretário de Estado, Paulo Catarino explicou: “estas visitas servem para aproximar as câmaras municipais das áreas protegidas e para ver o trabalho que tem sido feito pelo ICNF com a colaboração estrita da Câmara Municipal de Caminha, que tem sido um parceiro importantíssimo no trabalho que o ICNF aqui tem desenvolvido”.

Sobre o trabalho que tem sido realizado, Rui Batista, gestor da Mata Nacional do Camarido, explicou que a Mata tem sido alvo, desde 2010, de intervenções estruturantes e contínuas de rearborização e rejuvenescimento do pinhal mais antigo, eliminação de invasoras e plantação de espécies autóctones. Um trabalho que corresponde por inteiro ao Plano de Gestão Florestal aprovado em 2010.

Miguel Alves sublinhou a estratégia do concelho para valorização de espaços florestais: “temos o trabalho estruturado na Mata Nacional do Camarido. Temos uma candidatura submetida para valorização da Mata Nacional da Gelfa, que prevê a realização de uma ecovia que vai atravessar a Mata. Temos realizado trabalhos nas faixas de gestão de combustível das redes primária e secundária. Estamos a concretizar uma candidatura no âmbito da Defesa das Florestas Contra Incêndios no valor de meio milhão de euros. Temos um trabalho intenso na valorização da Serra d’Arga. Estamos a preparar uma candidatura para podermos transformar a Serra d’Arga numa área protegida de interesse regional”.

Publicado o 4 Set 2020 en Caminha, Medio Ambiente, Portada.
Síguenos na nosa canle en TELEGRAM

Iniciar sesión

Uso de cookies

Este sitio web utiliza as cookies para que vostede teña unha mellor experiencia de usuario.
Si continúa navegando está a dar seu consentimento para a aceptación das mencionadas cookies e a aceptación da nosa política de cookies.
Faga click no enlace política de cookies para maior información. ACEPTAR

Aviso de cookies