CIM Alto Minho cria Unidade de Missão de apoio humanitário à Ucrânia

Ação integrado à escala Intermunicipal

Viana do Castelo | Reunido hoje, dia 2 de março, em Ponte de Lima, com diversos atores regionais com atuação no território em várias áreas, o Conselho Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho) decidiu pôr em prática um plano de ação integrado à escala Intermunicipal para provisão de ajuda humanitária ao povo ucraniano.

Na abertura da sessão, que decorreu com carácter extraordinário, o presidente da CIM Alto Minho, Manoel Batista, salientou a importância de “saber organizar” para que a ação conjunta de apoio à Ucrânia seja bem-sucedida.

Neste sentido, referiu que, numa primeira instância, é preciso perceber o que faz sentido em termos de ajuda humanitária para evitar a duplicação de esforços e recursos.

Para o efeito, constituiu-se uma unidade de missão que agrega representantes de entidades intermunicipais como a CIM Alto Minho, o CDOS (Comando Distrital de Operações e Socorro) de Viana do Castelo e o Banco Alimentar de Viana do Castelo, com capacidade de articular com as diversas entidades de âmbito local, regional e nacional.

Para a operacionalização do plano de ação integrado foi proposta uma estrutura com quatro eixos de intervenção, nomeadamente para prevenir e acolher, gerir e acompanhar, nivelar e projetar e comunicar e informar.

Ao nível do primeiro eixo, “prevenir e acolher”, a ação conjunta do Alto Minho passará pela identificação da capacidade de alojamento no território, para alojamento temporário de refugiados ucranianos (indivíduos isolados ou família), pela sinalização e disponibilização de serviço de alimentação e pela recolha integrada de bens alimentares e outros, em articulação com o Banco Alimentar de Viana do Castelo e em colaboração com a rede social de cada município, entre outras entidades.

O eixo “gerir e acompanhar” prevê a criação de uma bolsa de voluntário local, privilegiando ucranianos e luso-ucranianos, e a preparação de um protocolo de colaboração (entre a CIM Alto Minho, municípios e outras entidades) para reforço de recursos humanos para acompanhamento técnico, caso a situação assim o justifique.

A operacionalização do eixo “nivelar e projetar” incidirá nas áreas da educação/ ensino e do mercado de trabalho, pretendendo-se, para o efeito, a articulação com os estabelecimentos de ensino, nos diversos níveis de escolaridade, para poderem receber crianças e jovens em idade escolar, mas também ao nível da formação superior. Por outro lado, a articulação com diversas entidades no setor do emprego e mercado de trabalho, para identificar vagas de emprego disponíveis.

Por fim, o eixo “comunicar e informar” materializar-se-á através da criação de uma ferramenta que agregue informação sobre os diversos apoios/ medidas a dinamizar e respetivos pontos de contacto, tendo em vista o acolhimento e a integração do povo ucraniano nas melhores condições.

Amanhã, dia 3 de março, realiza-se, da parte da manhã, a primeira reunião de trabalho da referida unidade de missão e, da parte da tarde, será realizada uma reunião com os 10 municípios do Alto Minho.

Busca no sentido de avançar com as primeiras medidas do plano ao nível do eixo I, em particular no que diz respeito à recolha integrada de bens alimentares e outros.

Reunião transnacional da rede URB EN PACT
Decorreu, nos dias 02 e 03 de março, a oitava reunião transnacional da rede Urban Energy Pact (Urb-En Pact), que teve o Alto Minho como território anfitrião.

Na sessão da manhã do primeiro dia de trabalhos, dedicada ao Alto Minho, o presidente do Conselho Intermunicipal da CIM Alto Minho, Manoel Batista, destacou a importância que as temáticas da energia e da sustentabilidade detêm em matéria de planeamento e ação local, bem como o facto de estas assumirem particular relevo no atual contexto de emergência climática.

Mais referiu a importância da cooperação, do espírito de partilha e de entreajuda e do trabalho em rede, quer ao nível local (através do envolvimento e mobilização dos diversos agentes territoriais locais/regionais no processo de cocriação do plano de ação integrada do Alto Minho em matéria de energia), quer ao nível europeu (através da partilha de experiências entre os diversos parceiros das redes URBACT, tanto aquando dos encontros transnacionais como no decurso das ações de capacitação e capitalização promovidos) e terminou reforçando que as autarquias locais têm um papel essencial a desempenhar no cumprimento dos objetivos de desenvolvimento sustentável, não só à escala local como também à escala global.

Após visualização de um pequeno vídeo de enquadramento do território do Alto Minho, foi apresentada a Agenda do Mar 20-30 de Viana do Castelo, por Miguel Marques, da empresa Skipper&wool, bem como os projetos WindFloat Atlantic, por José Pinheiro, da empresa EDP renováveis, e HiWave-5 por Miguel Silva, da CorPower OCEAN Portugal, iniciativas pioneiras e de excelência, sedeadas no Alto Minho, que, pelas características que detêm, se traduzirão numa importante mais-valia para o cumprimento do desígnio do Alto Minho de ser, antes de 2050, um território com balanço nulo de energia.

De referir que esta iniciativa se enquadra no projeto europeu Urban Energy Pact (Urb-En Pact), apoiado pelo Programa URBACT III Redes de Planeamento de Ação.
Para mais informações sobre este projeto, consultar: https://urbact.eu/urb-en-pact e http://www.cim-altominho.pt/noticias/detalhes.php?id=823.

Outros artigos