• Segue conectado
  • |

Vicente Risco e a nossa língua.

No dia 30 de abril de 1963 falecia em Ourense Vicente Risco, vai fazer este mês 57 anos. Nos últimos tempos a sua extraordinária figura é um pouco controvertida, generando bastante debate em artigos de imprensa, entre estudiosos e investigadores, pela sua atitude tomada após o golpe de estado fascista de julho do 36. Na maioria dos casos, os comentários não têm em conta o contexto vital de Risco, a sua formação e leituras, a sua poliédrica personalidade, as muitas etapas pelas que passou o seu pensamento e o ter sido um vulto importantíssimo para a cultura da Galiza, pois ademais devemos lembrar que este ano se cumpre o centenário do seu livro Teoria do nazonalismo galego, publicado em Ourense em 1920, e o da revista Nós, da que foi o seu diretor em todo o seu devir histórico de 1920 a 1936. É muito recomendável ler o opúsculo escrito por Jesús de Juana, sobre ele, que, junto com a monografia escrita por Carlos Casares, me parece um dos mais acertados estudos. E também a tese de doutoramento a ele dedicada pelo inspetor de ensino e meu ex-aluno José Fernández, que foi editada pela Deputação Provincial há pouco tempo.

Aproveitando o estar no mês de abril e às portas do mês de maio, o mais relacionado com as nossas letras, quero comentar o que Risco pensava sobre a língua da Galiza. Na revista Nós, números 6 e 7 do ano 1921, editada em Ourense, Vicente Risco publica um estupendo projeto, que intitula “Plano pedagógico para a galeguização das escolas”. Este plano, além de ser muito revelador de que Risco estava totalmente ao corrente das tendências educativas do momento e dos princípios da Escola Nova europeia, não tem um mínimo desperdício. Em outro momento publicarei um livro monográfico sobre o relacionamento de Risco com Tagore, pois ele foi no nosso país o verdadeiro descobridor do vate bengalí. Embora, esta vez quero comentar o que pensava sobre o nosso idioma. Destacando que durante bastante tempo assumia a escrita lusófona para a língua galega, tal como a que uso desde sempre eu nos meus artigos. Na sexta seção do projeto antes citado, sob a epígrafe de “O Galego na Escola”, entre outras cousas, Risco escreve: “O ideal seria que o ensino se desse em língua galega”. Esclarece que sobretudo para que o mestre seja compreendido, ali onde a língua materna dos rapazes for o galego, como é o caso do meio rural. Por isso assinala que não se pode deitar para fora das aulas o nosso idioma, e se o fizermos estamos a promover o auto-ódio e o desprezo pela nossa Terra, além de matar o nosso pensamento e a nossa literatura, e favorecer a nossa baixa autoestima secular.

Para Risco usar nas aulas o nosso idioma tem muitas vantagens pedagógicas. Entre elas destaca que desenvolve melhor a inteligência dos estudantes, favorecendo a compreensão dos conhecimentos. Empregando-o alternando com o castelhano, facilita a memória complicativa, favorece comparar ambos os idiomas para chegar a falá-los, e influi muito na formação de sentimentos positivos. Como são o de amar mais a Galiza e formar o caráter dum jeito especial, pela musicalidade, doçura e suavidade que tem a fala galega. Neste tema Risco está-se a adiantar em muitas décadas à ideia atual da importância que tem a inteligência emocional, e que é preciso desenvolver nos rapazes aprendizagens apreciativas. O que mais adiante escreve é muito significativo, mesmo para hoje: “Ninguém pode pôr em dúvida a grande vantagem de possuir dous idiomas, no lugar de só um. Não imos os galegos perder estupidamente esta vantagem, esquecendo a nossa língua materna. Pois as nossas duas línguas que temos são muito importantes: a castelhana é uma das que se falam por maior número de almas no mundo. Ela abre-nos todos os países de fala castelhana. A nossa, a galega, na sua forma portuguesa (galego e português são dous dialetos de uma mesma língua) é uma das mais estendidas pelo mundo, mais ainda que o castelhano. Ela abre-nos todos os países de fala portuguesa ou lusófona. Seríamos parvos se perdêssemos uma destas potentes armas de luta pela vida e de formação de cultura. O galego pode, com elas, abranger duas civilizações”. A seguir Risco, depois do que assevera, assinala que não se pode proibir que os rapazes se exprimam em galego, em todos os âmbitos e lugares e nas suas perguntas aos docentes. Que, usando o método comparativo, nas aulas os rapazes vejam as diferenças gramaticais e linguísticas entre ambos os idiomas. Que se lhe outorgue importância à leitura de poemas, contos e relatos, bem escolheitos, da nossa língua, de forma graduada. Que as leituras sejam bem comentadas e explicadas e a literatura galega, e as suas figuras mais importantes, sejam estudadas convenientemente e com estratégias adequadas. Que também, em especial os estudantes melhores, elaborem poemas, inventem e redijam contos e relatos em galego. E, por suposto, dado que este ano, por fim, se lhe dedicam as Letras Galegas a Carvalho Calero, temos que desenvolver em todos os centros de ensino galegos dos diferentes níveis, um amplo programa de atividades variadas em torno à sua grande figura.

No ponto sete do projeto acima citado, Risco escreve sobre o ensino das cousas da Terra: a geografia e história da Galiza, a vida de galegos e galegas ilustres, a arte galega, a literatura galega e as ciências e disciplinas práticas: agricultura, indústrias, labores e trabalhos manuais. Com aplicação à Nossa Terra. Mas, deste tema teremos que escrever outro dia. Fica, de momento, dito o anterior, depois de se terem publicado tantos e absurdos decretos nefastos para o nosso idioma na Nossa Terra. Que Risco nunca aceitaria.


Prof. Reformado da Universidade de Vigo, Presidente da Asociación Socio-Pedagóxica Galaico-Portuguesa (ASPGP) e Académico da Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP).
Publicado o 19 Mar 2020 en José Paz Rodrigues.
Síguenos na nosa canle en TELEGRAM

Iniciar sesión

Uso de cookies

Este sitio web utiliza as cookies para que vostede teña unha mellor experiencia de usuario.
Si continúa navegando está a dar seu consentimento para a aceptación das mencionadas cookies e a aceptación da nosa política de cookies.
Faga click no enlace política de cookies para maior información. ACEPTAR

Aviso de cookies