Dia Mundial da Língua Portuguesa em Caminha

Sessão comemorativa promovida pelo Lions Clube de Vila Praia de Âncora

Caminha | O Lions Clube de Vila Praia de Âncora no âmbito do seu projeto cultural “Diálogos Lionísticos” promoveu no passado dia 4 de maio, no Auditório Ramos Pereira em Vila Praia de Âncora, uma Sessão Comemorativa do Dia Mundial da Língua Portuguesa 2024, durante a qual foram homenageados “in memoriam” os Poetas Pedro Homem de Mello e Luiz Vaz de Camões, no ano em que se comemoram 120 e 500 anos, respetivamente, do nascimento dos Poetas.

Esta comemoração teve grande aceitação da Comunidade e foi um gesto importante no ano em que se celebram os 50 anos do 25 de Abril, enaltecendo a importância e a riqueza da Língua Portuguesa.

O Presidente Manuel Amial abriu a sessão, saudando a assistência e justificando que “o Clube não podia ficar indiferente à Comemoração do Dia Mundial da Língua Portuguesa, proclamado na 40.ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO em 2019, que a reconheceu como uma das línguas mais difundidas no mundo e a mais falada no hemisfério sul, neste ano também em que se comemoram os 50 anos do 25 de Abril que abriu o País à liberdade e à cultura”.

Seguidamente entregou a condução da sessão à jornalista Dra. Isabel Moreira que agradeceu a confiança nela depositada e foi exímia na condução dos trabalhos.

De imediato, foi o momento do “Canto em Língua Portuguesa” com a atuação brilhante do Orfeão de Vila Praia de Âncora, dirigido pelo maestro Francisco Presa, tendo interpretado seis peças corais, “Canção da vindima”, “Os homens que vão para a guerra”, “O milho da nossa terra”, País cansado” e a terminar “Povo que lavas no rio” do Poeta Pedro Homem de Mello, numa apresentação que mereceu enorme ovação.

Seguiram-se “Apontamentos de Leitura de Poesia de Pedro Homem de Mello e Luiz Vaz de Camões” protagonizados pela Prof. Maria da Luz Colaço, Prof. Rosa Virgínia Magalhães, Alberto Magalhães, Dra. Isabel Lima, Prof. Eduardina Presa e maestro Francisco Presa, lidos em tom declamativo, respetivamente “Afife”, “Canção de Viana” e “A Pátria”, de Pedro Homem de Mello e “Alma minha gentil que te partiste”, “Amor é fogo que arde sem se ver” e Canto I, estrofes 1-2”, de Luiz Vaz de Camões, que colheram merecida ovação do público.

Seguiu-se o Momento “Os Lions apoiam a Língua Portuguesa”, pela moderadora Dra. Isabel Moreira, que deu a conhecer a importância deste Prémio Anual atribuído pelo Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes, numa parceria com a Fundação dos Lions de Portugal e com a Editora Guerra e Paz, da qual foi protagonista.

No momento de “Homenagem aos Poetas Homenageados” foram abordadas várias facetas, tendo o Prof. António Cabral Pinto falado do tema “Pedro Homem de Mello | O Professor”, a Pintora Mariana Homem de Mello o tema intimista “Pedro Homem de Mello – o Avô” e a Professora Doutora Isabel Ponce de Leão “Pedro Homem de Mello e Luiz Vaz de Camões – O distinto contributo para a Língua Portuguesa”.

O Prof. António Cabral Pinto falou da sua experiência como aluno de Pedro Homem de Mello e evidenciou o Professor de Português culto, dedicado e amigo, que incentivava a discussão e inspirava os seus alunos na auto procura dos seus conhecimentos, guardando dessa experiência a mais grata recordação.

A Neta Pintora Mariana Homem de Mello com formação em Desenho pela Sociedade Nacional de Belas-Artes de Lisboa falou do Avô Poeta, numa mistura encantadora de sabedoria, inspiração e afeto. Com ele aprendeu a apreciar a beleza da linguagem e da poesia e a valorizar a profundidade das emoções humanas. A Mariana via nele não só a pessoa do Avô, mas nela também um mentor criativo, cujas conversas e histórias travadas na sua casa “Convento de Cabanas”, em Afife, relembra com carinho e que tecem, ainda hoje, um mundo de magia nas suas memórias.

Na apresentação da Mariana, a diretora da sessão Isabel Moreira, leu o poema “Mariana” escrito pelo seu Avô à neta Mariana, Morgadinha de Cabanas, num gesto muito bonito:

“Mariana | A minha neta nasceu! | Sôfrego aperto-a nos meus braços | Sangue do meu sangue que perdura | Pequeninos, seus dedos, como laços, | Enredam-se na minha mão, trémula e impura.

Chamem os arautos da cidade | Ela nasceu, mas não é só minha | Contem-lhe a única verdade | Eu sou só Poeta, mas ela será Raínha!”.

A Professora Doutora Isabel Ponce de Leão, Professora Catedrática da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Fernando Pessoa no Porto, com extenso currículo, brindou a assistência com uma intervenção profunda e brilhante falando da importância da Língua Portuguesa e do distinto contributo dado à nossa Língua pelos Poetas Luiz Vaz de Camões e Pedro Homem de Mello.

Referindo-se a Luiz Vaz de Camões e ao seu legado sublinhou “a sua capacidade de capturar e expressar a essência do povo português e a sua identidade nacional. Em “Os Lusíadas” Camões celebra as conquistas dos navegadores portugueses e a sua contribuição para a expansão do império português, ao mesmo tempo que reflete sobre questões mais amplas do destino humano, heroísmo e transcendência. Sua poesia é permeada por um profundo senso de patriotismo e amor pela pátria, que ressoa até hoje no coração do povo português”.

Mais adiante acrescentou que “Mas o renomado poeta português do século XVI, não é apenas conhecido por sua obra épica “Os Lusíadas”, mas também por sua poesia lírica, que revela uma expressão profunda e intimista de emoções, reflexões e experiências pessoais, onde o tema central é o amor, em suas várias formas e nuances”… “Convém lembrá-lo enquanto um bom cultor do doce estilo novo renascentista, mas também como cultor da medida velha, verso de redondilha em vilancetes, cantigas e esparsas, onde desnuda o ser e parecer do povo português em textos como “descalça vai para a fonte” ou “aquela cativa que me tem cativo”. … “Sua obra não apenas exemplifica a sua maestria na utilização da língua portuguesa, mas também contribui significativamente para o seu desenvolvimento e prestígio. Seu legado como poeta e patriota continua a inspirar gerações de falantes de português em todo o mundo, destacando assim a sua importância duradoura para a Língua e Cultura Portuguesas – a Língua de Camões.”

Abordando o Poeta Pedro Homem de Mello, Isabel Ponce de Leão destacou o legado significativo do poeta e letrista português do século XX, “não apenas na música popular portuguesa, mas também no enriquecimento e aprimoramento da Língua Portuguesa. Uma das contribuições mais notáveis de Pedro Homem de Mello para a língua portuguesa é a sua habilidade única como letrista de fado. O fado, género musical tradicional português, é conhecido por suas letras emotivas e melancólicas, que muitas vezes exploram temas como amor, saudade, destino e a portugalidade”.

Precisou ainda que “Pedro Homem de Mello elevou o fado a novos patamares de excelência poética, com suas letras profundas e evocativas que capturam a essência da alma portuguesa”.

Seguiu-se um Momento de Folclore a cargo do Rancho de Danças e Cantares de Afife, sob a direção de Sissi Teixeira.

A Prof. Maria da Luz Colaço leu na altura o Poema “O Bailador de Fandango” de Pedro Homem de Mello, que retrata de forma magistral a figura de um exímio bailador de folclore:

“Sua canção fora a Gota. | Sua dança fora o Vira | Chamavam-lhe “o fandangueiro”, | Mas seu nome verdadeiro | Quando bailava, bailava | Não era nome de cravo, | Nem era nome de rosa. | – Era o de flor misteriosa, | Que se esfolhava, esfolhava … | E havia um cristal na vista | E havia um cristal no ar | Quando aquele fandanguista | Se demorava a bailar! |E havia um cristal no vento | E havia um cristal no mar! | E havia no pensamento | Uma flor por esfolhar …

Fandangueiro! Fandangueiro? | (Nem sei que nome lhe dar…) | Tinha seus braços erguidos | Nem sei que ignotos sentidos … | – Jeitos de asa pelo ar … | Quando bailava, bailava, | Não era folha de cravo | Nem era folha de rosa. | Era uma flor, misteriosa, | Que se esfolhava, esfolhava …

Domingos Enes Pereira | Do lugar de Montedor … | (O bailador de fandango | Era aquele bailador) | Vinham moças da Areosa | Para com ele bailar … | E vinham moças de Afife | Para com ele bailar … | Então as sombras dos corpos, | Como chamas traiçoeiras, | Entrelaçavam-se e a dança | Cobria o chão de fogueiras … | E as sombras formavam sebe … | O movimento as florira … | O sonho, a noite, o desejo … | Ai! Beleza de mentira!

E as sombras entrelaçavam-se … | Os corpos, ninguém sabia | Se eram corpos, se eram sombras, | Se era amor que se escondia …”.

Belo poema que inspirou o Rancho de Danças e Cantares de Afife, com seu traje peculiar, na sua bela e graciosa atuação, tendo apresentado as danças e cantares típicos da sua região, “Gota do Calor”, “Gota de Afife”, “Rosinha”, “Senhor da Serra de Cabanas”, “Vira das Palmas” e terminado com a “Chula”, algumas delas contaram com o apoio, ao tempo, de Pedro Homem de Mello.

Houve ainda tempo para um Momento de Apresentação de um quadro | pintura do Poeta Pedro Homem de Mello, que estava exposto no auditório, apresentado pelo autor Mário Rebelo de Sousa, executado em parceria com a pintura Manuela Macedo e que retrata o Poeta no ambiente da sua casa do Convento de Cabanas.

A terminar, na Sessão de Encerramento, usaram da palavra o Presidente do Lions Clube de Vila Praia de Âncora, Manuel Amial, o Governador do Distrito 115 de Lions Clubes, Eduardo Fernandes e o Presidente da Câmara Municipal de Caminha, Dr. Rui Lages, que teve palavas de muito apreço pela excelente sessão comemorativa do Dia Mundial da Língua Portuguesa a que teve o privilégio de assistir e felicitou o Lions Clube de Vila Praia de Âncora por mais esta atividade de serviço cultural prestada à Comunidade do Concelho de Caminha.

O Lions Clube de Vila Praia de Âncora entregou a todos os intervenientes na Sessão um Diploma de Reconhecimento pelas suas participações.

 

Deixa unha resposta

Este sitio emprega Akismet para reducir o spam. Aprende como se procesan os datos dos teus comentarios.