A Ecopista do río Minho chega ao centro histórico de Monçao

Monção |Ligação entre a Lodeira e o centro histórico de Monção, com entrada nas Portas de Salvaterra, em fase de adjudicação. Intervenção beneficia de comparticipação comunitária na ordem dos 100 mil euros.

Com a terceira fase da Ecopista do Rio Minho inaugurada no passado dia 12 de março, feriado municipal, a Câmara Municipal de Monção já pensa em prolongar aquele corredor ecológico até ao centro histórico da vila com entrada nas Portas de Salvaterra.

À execução daquele percurso, pouco mais de um quilómetro, concorreram quatro empresas, cujas propostas encontram-se em fase de análise para posterior adjudicação. Apresentada candidatura aos fundos comunitários, a empreitada mereceu um financiamento de 100 mil euros no âmbito do Novo Norte ON 2.

Na sequência das intervenções anteriores, a presente proposta divide-se em áreas com especificidades distintas (Lodeira, Pedra Furada e Portas de Salvaterra), desenvolvendo-se por um caminho de servidão e uma vereda arborizada por castanheiros, carvalhos e freixos com o objetivo de reforçar a herança histórica dos monçanenses com o rio e o património ambiental envolvente.

O percurso é pontuado por paragens de descanso que possibilitam uma pausa e informação sobre o meio ambiente. Toda a área será devidamente sinalizada relativamente aos cuidados ambientais a cumprir, bem como na impossibilidade da sua utilização em período de cheias. Os elementos de segurança e controle de acesso ao percurso mantêm-se em madeira de pinho.

Toda a extensão do “corredor ecológico” será implantada sobre um caminho existente, possibilitando unicamente alguma correção ligeira de topografia, não colidindo com a paisagem ambiental, os movimentos naturais do rio Minho ou a destruição/alteração da sua vegetação autóctone.

Esta intervenção, que assegurará ligação entre o centro histórico de Monção e Valença num trajeto com variados pontos de interesse, tem subjacentes valores de defesa a valorização dos elementos patrimoniais e paisagísticos envolventes e a promoção de sistemas de lazer e fruição em comunhão com o respeito pelo equilíbrio ecológico

Outros artigos