• Segue conectado
  • |

Votar, votar, votar!

O voto é a forma legal de escolher quem nos representará politicamente e é condição indispensável ao exercício da cidadania, já que através dele, o cidadão torna-se eleitor.

Quando votamos, delegamos as nossas funções para outras pessoas. Alguém que julgamos que vai representar-nos. Alguém que lute por nossos direitos.

Ciente do quadro de responsabilidade de cada candidato eleito, temos que eleger alguém que seja o nosso espelho, que tenha os mesmos ideais, que veja o país da mesma forma que nós, que as suas aspirações também sejam as nossas, e que as suas propostas vão de encontro aos nossos objectivos.

Alguém que seja leal, íntegro, verdadeiro, que saiba o que é ter moral; alguém por quem nos orgulhemos de votar nele. Temos que verificar se ele já actuou em algum período como político e quais foram os seus feitos. E se ele for candidato pela primeira vez, temos que examinar os seus projectos. E além disso, temos que analisar os ideais do partido ao qual pertence o nosso candidato, e quais as filosofias do partido e se este lhe garante independência para não ficar refém de estratégias e interesses de que discordamos.

O nosso voto é muito precioso, dele depende o nosso futuro, o futuro de uma nação, o futuro da nossa região.

Procedendo desta forma, escclarecendo e incentivando aos que estão próximos de nós a agir deste modo, pelo menos é um bom começo para votar certo.

É de extrema importância que saiamos do nosso casulo, da nossa zona de conforto, pois precisamos ter consciência de que o resultado de uma escolha mal feita prolongará um quadro de crise moral e ética que visualizamos hoje ao nosso redor e que tanto nos envergonha e entristece.

A crise económica atravessada pelo país nos últimos anos, somada a um cenário político agitado por uma infinidade de denúncias de corrupção, levaram a população a uma situação de descrédito em relação à classe política e até às instituições públicas do país. O desalento geral fica evidente quando se analisam os resultados dos motivos do crescente abstencionismo junto do eleitorado.

E essa opção começa em nós! Dela depende o nosso futuro e o Alto Minho!

Tomado de “Minho Digital

Publicado o 4 Out 2019.
Síguenos no noso canal do TELEGRAM

Iniciar sesión

Uso de cookies

Este sitio web utiliza as cookies para que vostede teña unha mellor experiencia de usuario.
Si continúa navegando está a dar seu consentimento para a aceptación das mencionadas cookies e a aceptación da nosa política de cookies.
Faga click no enlace política de cookies para maior información. ACEPTAR

Aviso de cookies