• Segue conectado
  • |

Jurídico e político, dous terminos em simbiose.

Que semelham aliados quando de desprecio ao idioma galego, a nosso idioma, respecta. O do título é pura ironia produto do cabreio que me ocasionam os recentes comentários e resoluções judiciais sobre a língua. Se partirmos de que o Estatuto de Autonomia da Comunidade Autónoma de Galiza, vigente desde 06.04.81 com texto consolidado de 17.07.10 manifesta no seu “art. 5º.1.A língua própria de Galiza é o galego” não há dúvida, o galego é a única língua própria de Galiza. E segue “2.Os idiomas galego e castelhano som oficiais na Galiza e todos tenhem o direito de conhecê-los e usa-los” ; é dizer que existe outro idioma, que não é língua própria de Galiza, que é o castelhano, ao que se concede a co-oficialidade, outorgando a todos o direito de conhecê-los e usá-los; resulta curioso que o idioma que não é o próprio de Galiza tem uma blindagem no artigo 3.1 da Constituição espanhola que obriga a seu conhecimento incluso na Galiza, onde é um idioma estranho; certamente o idioma da Galiza era unicamente o galego até a conquista do reino polo de Castela, que impus seu idioma E ainda continua: “3.Os poderes públicos de Galiza garantem o uso normal e oficial dos dous idiomas e potenciaram a utilização do galego em todos os ordens da vida, pública, cultural e informativa e disporam os médios necessários para facilitar seu conhecimento “. Bom, ainda que garantem por igual o “uso” dos dous idiomas, o próprio e o estranho, há um reconhecimento claro da lingua própria e de que o galego fica em inferioridade de condiciones respecto do seu uso, polo que esses poderes públicos venhem obrigados a “potenciar a utilização do galego”; resulta evidente que o próprio Estatuto admite uma minusvalia ao galego no seu uso em todos os ordens da vida pública e que, polo tanto, “devem dispor de médios necessários para facilitar seu conhecimento”; e seguindo este mesmo critério no artigo 27, referente ás competências exclusivas da Comunidade Autónoma, sinala expressamente no núm. 19 o “fomento da cultura e da investigação…” e segue no 20 ”a promoção e ensino da língua galega”. O artigo 5º ainda tem um nº 4 redigido assim “Ninguém poderá ser discriminado por razão da língua”.

Tratei de ser o mais didático possível para reunir aquelas normas que nos falam dos direitos a usar e conhecer o galego e as obrigas legais de promocionar, potenciar e facilitar seu conhecimento e ensino. Pois bem, esta é a norma reitora da nossa autonomia e pareceria politicamente impossível que um partido político de governo e governando levasse a cabo uma desfeita no uso e ensino do galego, contravindo as normas expressas e claras do Estatuto e não por passividade senão por ativa política de limitar seu ensino, reduzir seu uso na administração, retroceder na promoção, castigar aos médios informativos que utilizam o galego mentras potenciam aos grandes médios que utilizam de jeito exclusivo o castelhano, mantendo uma “radio galega música” que emite o 75% da sua programação em musica espanhola e a galega sem qualidade, e uma RTVG castelhanizada (o do nível é a maiores); sendo totalmente indiferente ás noticias falsas sobre a situação do castelhano em relação com o galego… Nem promove, nem potencia nem facilita nem fomenta a utilização do galego nem dispõem dos médios necessários para facilitar seu conhecimento, como estabelece claramente a Lei reitora da nossa Autonomia. Febleza que resulta tanto evidente que já o Instituto Cervantes dize que se falas castelhano não deves empregar a nome autêntico das cidades galegas senão o castelhanizado, só se falas em galego podes utilizar os topónimos legais e genuínos; não escoitei nunca e esse Instituto que dissera que só se falas em euskera poderia chamar a Vitoria Gastei ou a San Sebastián Donostia ou que tes que falar catalão para dizer Lleida ou Girona; amiguinho, essas Comunidades tenhem outros políticos, que com dignidade defendem sua cultura, seu idioma. Tambem a TV5 utiiliza o Orense e La Coruña sem que haja uma reclamação nem a RENFE quando por As Neves utiliza “Nieves”. Normal, os mandarins de esta terra, submissos agradecidos ao que mandam desde fora, porque som uns pobrinhos sem pessoalidade e sem sentimento do próprio, toleram que seus chefes, naturalmente em Madrid, ameacem já com que se governam reduziram e minimizaram o uso do idioma autonómico nos colégios. Naturalmente seguirão fazendo o politicamente impossível, desacatando e desprezando o texto do Estatuto.

E do mesmo jeito que os políticos ignoram e desprezam a norma os tribunais ratificam e consideram que juridicamente cabe o politicamente impossível. E também eles “falham” contra a língua e a cultura.

Som muitas mais as cousas que temos a defender e a mesma conclusão será aplicável, mas que difícil resulta defender a língua e a cultura sem independência!


Advogado. Ourense - Vigo - Porto
Publicado o 27 Mar 2019.
Síguenos no noso canal do TELEGRAM

Iniciar sesión

Uso de cookies

Este sitio web utiliza as cookies para que vostede teña unha mellor experiencia de usuario.
Si continúa navegando está a dar seu consentimento para a aceptación das mencionadas cookies e a aceptación da nosa política de cookies.
Faga click no enlace política de cookies para maior información. ACEPTAR

Aviso de cookies