• Segue conectado
  • |

O Padre Américo, criador da “Casa do Gaiato” en Paço de Sousa.

Em dias sucessivos, o 18 e o 20 de dezembro, comemoram-se respeitivamente os dias internacionais das Migrações e o da Solidariedade Humana. E no dia 10, uns dias antes, a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Estos três temas tão importantes nos levam a lembrar a uma pessoa que na sua vida desenvolveu um grande labor de solidariedade, e também conheceu a emigração. Estou a referir-me ao Padre Américo, de nome Américo Monteiro de Aguiar (1887-1956), um grande vulto português que nasceu a 23 de outubro de 1887 na freguesia de Galegos, uma localidade próxima de Penafiel. Faleceu vítima de acidente de viação em Campo, no concelho de Valongo, a 16 de julho de 1956. A sua família dedicava-se ao comércio, pelo que por imposição paterna teve que seguir a carreira comercial.

Frequentou o ensino primário na sua terra natal, passando em 1898 para o Colégio do Carmo, em Penafiel, e no ano seguinte para o Colégio de Santa Quitéria, em Felgueiras. Terminados os estudos liceais, em 1902, empréga-se, no Porto, numa loja de ferragens. Em 1906, porém, resolve partir para Moçambique, estabelecendo-se em Chinde, onde trabalha como despachante para duas companhias británicas. No país africano mora durante dezaoito anos, até 1923, travando conhecimento com o padre Rafael Mª da Assunção, que mais tarde seria nomeado bispo de Cabo Verde.

Regressado a Penafiel, em 1923, contata com o pároco local, de quem tinha sido companheiro de infância, e comuníca-lhe o desejo de entrar para um convento franciscano, dando como única explicação a frase: «é uma martelada! Dois meses depois entra no Convento franciscano de Santo António de Vilarinho, em Tui (Galiza), onde permanece durante nove meses como postulante, a estudar latim e ciências naturais e mais um ano, depois da tomada do hábito, tornando-se um noviço franciscano. As dificuldades em se adaptar à vida monástica conduzem à sua saída em julho de 1925, mas tenta ingressar no seminário diocesano do Porto, embora o bispo António Barbosa Leão não dê seguimento ao seu requerimento. Contata então o bispo de Coimbra, Manuel Luís Coelho da Silva, que o aceita. Depois de se formar em Teologia no seminário de Coimbra, foi nomeado Perfeito do Seminário e professor de língua portuguesa. Quatro anos mais tarde já era sacerdote. Passando a ser capelão em Casais do Campo, freguesia de São Martinho do Bispo e designado pároco de São Paulo de Frades, não chegando a tomar posse, incapacitado por um esgotamento.

Em 1932, quando o bispo de Coimbra lhe entrega a Sopa dos Pobres, é quando se começa a revelar no Padre Américo a sua verdadeira vocação, não parando mais a partires de aí. E sendo considerado como um importante benfeitor que dedicou a sua vida aos mais carenciados, principalmente jovens, que se traduziu em inúmeras realizações. Em maio de 1935, foi convidado para São Pedro de Alva pregar à população. Certo dia o pároco da freguesia leva-o à escola primária e foi aí que idealizou e teve a visão da «Obra da Rua», fundando a sua primeira «Casa da Colónia», como era assim chamada a «Casa do Gaiato», a mais conhecida e relevante das suas obras postas em prática. Em agosto decidiu ir para a capital de distrito, e então inicia as «Colónias de Férias do Garoto» da Baixa de Coimbra, estágio embrionário do que viria a ser posteriormente a «Casa do Gaiato». Posteriormente foi para Vila Nova do Ceira e Miranda do Corvo. Finalmente, a 7 de janeiro de 1940, o «Padre da Rua» funda a primeira «Casa do Gaiato» (uma espécie de «Cidade dos Muchachos», como as dos Padres Flanagan e Silva), no lugar de Bujos em Miranda do Corvo, e a segunda «Casa do Gaiato» no mosteiro beneditino de Paço de Sousa, perto de Penafiel e não muito longe do Porto. Este formoso lugar, escolhido por ele, para o surgimento da «Aldeia do Gaiato», foi utilizado para o acolhimento e alojamento de jovens com carencias, sociais, familiares e económicas, ou abandonados nas ruas, com condutas anti-sociais, etc.

[...]

Páxina seguinte


Prof. Reformado da Universidade de Vigo, Presidente da Asociación Socio-Pedagóxica Galaico-Portuguesa (ASPGP) e Académico da Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP).
Publicado o 1 Dec 2017 en José Paz Rodrigues.
Síguenos no noso canal do TELEGRAM

Iniciar sesión

Uso de cookies

Este sitio web utiliza as cookies para que vostede teña unha mellor experiencia de usuario.
Si continúa navegando está a dar seu consentimento para a aceptación das mencionadas cookies e a aceptación da nosa política de cookies.
Faga click no enlace política de cookies para maior información. ACEPTAR

Aviso de cookies